Abanicos: Lidar com ventos laterais

O nome de um dos coletes corta-vento da Siroko - Crosswind - vai ser a nossa desculpa para falar de uma das formações mais emblemáticas do ciclismo - o abanico. Uma espetacular e linda manobra táctica quando vista do sofá, mas uma verdadeira tortura para os ciclistas, especialmente para aqueles que não acompanham a rotação dos ciclistas em posição dianteira, que acabam expostos a todo o vento e que eventualmente acabam por ser afastados quando o pelotão se  dispersa. Mas não nos vamos  precipitar e vejamos para que lado sopra o vento primeiro.  

Na imagem acima podes ver dois abanicos e o vento a soprar da direita. É por isso que os ciclistas estão dispersos pela estrada desde o lado direito até ao lado esquerdo, tentando proteger-se do vento. Na mesma fotografia, podemos observar as três condições essenciais para a formação de um abanico: uma estrada reta e comprida, vento lateral e, acima de tudo, uma equipa ou diversos ciclistas que querem afastar-se do pelotão. 

Na fotografia acima, eles arranjaram já uma forma de romper o abanico e o primeiro grupo está a formar um abanico de ataque e o segundo grupo está numa formação de defesa.  

Os primeiros querem criar uma maior distância em relação aos últimos, enquanto os últimos pretendem ocupar o espaço vazio.  Em ambos os grupos (conseguimos ver isso melhor no segundo) há alguns ciclistas a revezarem-se pedalando até ao topo do grupo -  a melhor forma de ir depressa e com menor esforço. Os ciclistas pedalam em duas fileiras estendidas ao longo da estrada, no sentido dos ponteiros do relógio, neste caso, indo para cima no lado protegido e indo para baixo no lado de onde vem o vento. Caso o vento estivesse a vir do lado esquerdo, a formação seria da esquerda para a direita e a rotação seria oposta aos ponteiros do relógio.  

Os três elementos chave acima mencionados são essenciais para a formação de um abanico, mas a organização, a resistência dos ciclistas ou da equipa para formar o abanico, junto com a posição e o momento certos para a quebra da formação são também bastante importantes. A razão para isso é que a quebra da formação acontece quando uma equipa ou um grupo de ciclistas afunila a zona protegida e obriga outros ciclistas a estar completamente expostos ao vento sem que consigam acompanhar a cadência. 

Como é a zona protegida afunilada? Na primeira imagem podemos ver que a estrada é bastante larga, há espaço suficiente para que todos os ciclistas se protejam contra o vento. Os ciclistas à frente em cada um dos grupos estão bem posicionados à direita,  juntos à berma da estrada, protegendo os restantes ciclistas do vento. No entanto, caso os ciclistas dianteiros, na primeira imagem, se moverem para a esquerda, eles reduzem a zona protegida. 


Esta fotografia é do Campeonato Mundial de Ciclismo em Estrada, realizado em Doha em 2016, uma corrida onde a separação dos ciclistas aconteceu 177 quilómetros  antes da meta. Isto foi possível devido ao movimento táctico da equipa Britânica que, tal como pode ver na fotografia, posicionou 4 ciclistas na dianteira, deixando menos de metade da estrada para os restantes atletas para se protegerem do vento. Isto significa que não havia espaço suficiente para todos e muitos ficaram expostos ao vento, que neste caso soprava da esquerda. Na fotografia pode ver como o pelotão se começa a separar. Se quiser saber como acaba esta história ou dar uma vista de olhos a este campeonato cheio de vento, areia e camelos (pois, na verdade não havia muitos espectadores), aqui está.

Explicar os abanicos usando apenas palavras pode ser bastante complicado, mas é para isso que as fotografias e os vídeos servem. 


Este vídeo da Eurosport explica isto perfeitamente, usando como exemplo a estratégia e coordenação irrepreensíveis da equipa Lotto Soudal na terceira etapa da Volta à Turquia em Bicicleta em 2016. A equipa Belga de 4 ciclistas formou primeiro o abanico e reduziu depois a zona protegida de modo a que apenas os ciclistas da equipa entrassem na rotação (podemos ver que estão habituados ao vento), deixando todos os restantes expostos ao vento. Desta forma criaram as condições ideais para o seu sprinter, o ciclista alemão Andre Greipel, alcançar aquilo que deve ter sido o sprint mais fácil de toda a sua carreira. Imagino que o “Gorilla” agradeceu aos seus companheiros de equipa mais do que nunca pelo esforço naquele dia.  

A coisa mais emocionante e desafiante dos abanicos é que os ciclistas e os diretores desportivos sabem quando eles podem surgir e que, se houver um vento lateral e uma estrada reta, esse é o momento para que um grupo de ciclistas ou uma equipa acendam o rastilho e comecem o espetáculo. Mas mesmo com isso em mente e avisando os ciclistas para estarem atentos, bem posicionados e agrupados, tudo pode acontecer uma vez que a estrada tem as suas próprias regras e há um limite para a resistência dos ciclistas. Muitos dos favoritos nas grandes voltas, foram deixados para trás, perdendo a hipótese de uma vitória; outros deram a volta ao ranking e os abanicos foram muitas vezes o tira-teimas de muitas competições clássicas de ciclismo. 

Caso sejas um ciclista de competição, é muito provável que tenhas que lidar com ventos laterais em algum momento. Não é fácil pedalar num abanico uma vez que este requer tudo aquilo que já falámos atrás: posicionamento, organização, concentração e resistência. Não podes perder o foco nem por um segundo porque se perdes o controlo e saíres da formação, é o fim. Independentemente da resistência que tenhas, não irás muito longe sozinho. Será melhor juntar-se ao segundo grupo, formar um abanico, entrar na rotação e tentar ocupar o espaço. A rotatividade da posição deve ser curta e suave, mantendo a velocidade o mais alta e constante possível. A rotação não deve ser muito brusca porque dessa forma estarás a pressionar o ciclista que acabou de substituir a esforçar-se mais para acompanhar a tua pedalada e a proteger-se do vento. Por outro lado, é melhor fazer a rotação na dianteira em vez da ponta traseira. Entrar na rotação vai te dar momentos de “descanso” e momentos a liderar. Ao mesmo tempo, na parte traseira do grupo, poderás sentir-te mais "confortável" mas estarás na extremidade, talvez a roçar a berma da estrada e qualquer movimento em falso ou falha te pode fazer perder o controlo e te afastar. 

Caso não sejas um ciclista de competição, vais certamente evitar a tortura dos abanicos mas um dia talvez tenhas de lidar com o vento e esse pode ser o maior inimigo dos ciclistas. Pedalar sozinho e lidar com ventos fortes pode ser um pesadelo e os ventos laterais podem tornar-se bastante perigosos. Independentemente de onde vem o vento, um colete de ciclismo como o modelo Crosswind, ou qualquer outro modelo de coletes corta-vento de ciclismo da Siroko, vai tornar-se o teu melhor aliado em momentos de vento forte. 

← Volver al blog

También te puede interesar...