Coisas a ter em conta à hora de comprar uma bicicleta de segunda mão

Se planejas comprar uma bicicleta ou se tens andado de bicicleta há algum tempo e quiseres melhorar ou mudar a bicicleta que tens, o mercado de segunda mão é um bom lugar para procurar a tua nova bicicleta. Os seguintes conselhos vão te mostrar que é muito mais fácil do que comprar um carro de segunda mão porque há menos elementos que podem ser defeituosos e até tens a oportunidade de testar as partes essenciais da bicicleta ainda que não sejas um experto ou não tenhas ferramentas profissionais. No final desta guia vais encontrar também algumas sugestões para te ajudar na tua procura. 

Isto é o que deves ter em conta para comprar uma bicicleta usada

Quadro e garfo

Começa pelo garfo e continua pelo quadro, verificando atentamente toda a superfície. Se é feito de metal (alumínio ou aço), verifica que não haja bolhas na pintura (um indício de corrosão) e que não haja amolgadelas no quadro. Numa bicicleta de carvão é difícil ver as rachaduras que podem quebrar a bicicleta, mas vale a pena verificar que não há curvas estranhas nos tubos.

Presta atenção ao suporte esquerdo da corrente debaixo desta e na parte direita do movimento central. Nestas áreas a corrente tende a bater, se soltar e se meter entre o cassete e o quadro, deixando muitas marcas se não tiver a proteção adequada.

Move o guiador à esquerda e à direita até o ponto onde tocam o quadro, verifica ambas partes para ver se há alguma amolgadela causada por acidente ou por uma queda da bicicleta quando estava apoiada contra a parede. 

Outros elementos a ter em conta: a união do canote do selim ao tubo superior, a ponteira do câmbio traseiro (o que une o câmbio com o quadro), nos extremos dos garfos traseiro e dianteiro (onde se enganchan as rodas ao quadro e ao garfo) e a parte baixa da bicicleta (vira a bicicleta de cabeça para baixo para evitar surpresas)

Nos garfos de suspensão das bicicletas de montanha, comprova se funcionam e se engancham corretamente, se não há arranhaduras nas barras e que não há nenhuma fuga de óleo. Isto aplica-se também para as bicicletas de montanha com suspensão traseira (BTTs com suspensão total). Nestes modelos, também é preciso verificar que a suspensão é fixada ao quadro corretamente e que o eixo ou eixos onde pivota a suspensão não fazem ruídos estranhos ou estejam estragados, já que estas zonas têm que suportar muita pressão. Verifica o funcionamento das suspensões subindo na bicicleta e dando uma volta.

Caixa de direção

Deves verificar que a caixa de direção não tem folga. Para isto, aperta os travões e balança a bicicleta para trás e para frente. Se há alguma folga na caixa de direção, vais ouvir um som de batida. Não é uma reparação cara mas, se a folga estiver alí faz tempo, pode ter deixado marcas no garfo e no quadro. É também um sintoma de que o proprietário não se importou de arranjar o problema.

Rodas

Faz rodar as rodas e certifica-te de que estão alinhadas e centralizadas e que o som que o cubo faz é suave (e não como se estiver a moer café). Umas rodas muito usadas numa bicicleta velha podem estar ligeiramente descentralizadas mas, se for mais de 1-2 mm, é coisa séria. 

Quando as rodas estão a girar, comprova que os calços dos travões ou os discos não rocem. Da uma passada com as tuas mãos pelos raios para testar a tensão e passa os teus dedos sobre a pista de travagem do aro para verificar que está lisa, sem marcas notáveis mais do que do uso. Se notares alguma zona côncava ou convexa, cuidado, pois isto indica uma deformação ou um desgaste. Os aros de alumínio têm pequenos buracos (sunken dots) na pista de travagem, os quais são um bom indicador do desgaste. Se não vires estes pontos, é hora de mudar os aros.

Precisamos comprovar os rolamentos. Agarra a roda e tenta movê-la de forma lateral. Se se move demasiado, precisas de ir a uma oficina a fixá-la e recorda que uma bicicleta barata que precisa de muitas reparações já não é barata.

É importante verificar que os pneus não tenham um uso excessivo. Como no caso dos aros, os fabricantes fazem pequenos buracos que servem para indicar o desgaste. Se não os vês, significa que o pneu tem pouco tempo de vida. Comprova também que não tenham grandes cortes ou zonas planas devido a alguma freada.

Transmissão

É um grupo de componentes. Precisas de ver como funciona como um todo e comprovar os componentes um por um para ver onde pode estar o problema ou o dano. Sube na bicicleta e começa a trocar todas as marchas para ver se funcionam adequadamente e se respondem ao manípulo de mudanças.

É fácil ver que a corrente está em más condições mas, para saber quanto tempo de vida lhe resta, precisas de trocar a marcha onde a corrente fique mais tensa (prato grande e pinhão intermédio numa bicicleta de estrada ou de montanha com prato duplo, ou pinhão grande numa bicicleta de um prato). Uma vez engrenada a marcha, agarra a corrente com dois dedos para separá-la do prato. Se requer algum esforço, significa que a corrente pode ser usada por mais tempo; se do contrário se pode separar facilmente, vais ter que trocá-la em breve.

Para verificar a condição dos pratos e do cassete, olha para os dentes. Devem ter uma forma de vulcão, sem terminações em ponta. Se vês que são como um dente de tubarão, significa que já estão muito gastados. Quando olhes para os pratos, agarra as pedaleiras, fá-las girar para trás para ver se funcionam com suavidade e tenta movê-las de forma lateral para ver se tem alguma folga no eixo do movimento central. Aproveita para inspeccionar os pedais, se por acaso tiverem uma folga.

O funcionamento do câmbio traseiro e dianteiro deve ser verificado trocando a marcha e já fizemos isto quando subimos na bicicleta. Para detectar qualquer problema, empurra-os com os teus dedos ou puxa o cabo correspondente e deveriam poder ser movidos com facilidade. O estado do câmbio traseiro reflete a história de qualquer queda ou choque passado. Se mostra alguma arranhadura ou amolgadela importante, a bicicleta pode ter sofrido um acidente, tem então isto em conta e revisa o quadro conscienciosamente. Outros sinais de quedas são: arranhaduras nos lados do selim, no manípulo de mudanças, na alavanca de travão e nos extremos do guiador. 

Travões

A primeira coisa que deves verificar é se podem ser controlados adequadamente desde os manípulos e que quando os soltas, se soltam rapidamente e não roça com a roda. Presta especial atenção às pastilhas de travão, tanto nas bicicletas com travão de disco (estrada ou montanha), como prestar atenção aos calços nas bicicletas com travão de aro. Como com as mudanças, puxar os cabos do travão e mover as pontes de travão com as tuas mãos vão te ajudar a verificar que tudo está em boas condições.

Parafusos e apertos rápidos

Não devemos esquecer todos esses elementos que unem e seguram as partes e os componentes da bicicleta. Um bocadinho de corrosão e ferrugem nos parafusos não é um grande problema mas um parafuso completamente enferrujado é um contratempo importante. Da uma olhada a estas peças já que, se estiverem emperradas, podem causar danos em outras partes muito importantes como o garfo ou o quadro. Se os parafusos estiverem espanados, vai ser difícil tirar ou apertar alguma peça, aliás é um sinal de que o dono não é tão cuidadoso como diz.   

Finalmente, afrouxa ou aperta de novo os apertos rápidos para verificar que funcionam adequadamente e que os extremos do garfo e do quadro estão em boas condições.

Sube na bicicleta

Já te aconselhamos subir na bicicleta para verificar a suspensão ou as mudanças mas não hesite em fazê-lo quantas vezes quiseres. Desta forma, podes comprovar que não há ruídos na caixa de direção ou na pedaleira quando apoiares os pés nos pedais e aplicares força. Certifica-te também de que a bicicleta trava corretamente e que o quadro é do teu tamanho.

Agora que já sabes o que debes comprovar numa bicicleta usada, deixamos a seguir algumas sugestões para te guiar na tua procura e na tua compra:

Perguntar-te a ti mesmo e perguntar ao vendedor

Primeiro, pergunta-te a ti mesmo estas simples perguntas: Para que vais utilizar a bicicleta? Quanto dinheiro estás disposto a gastar? Qual é o tamanho para ti?

Pergunta ao vendedor qualquer dúvida que tenhas: Há quanto tempo tem a bicicleta? Quanto tempo a utilizou? Tem a fatura original? Quando foi feita a última manutenção? Que tipo de reparações foram feitas? Será que a bicicleta tem algum problema? Todas estas perguntas vão te ajudar a conhecer o vendedor e a bicicleta.

Pesquisa online, compra pessoalmente

Tanto se procuras um modelo específico, como se apenas procuras uma bicicleta e encontraste a adequada, navega por diferentes sites, foros, lojas, redes sociais e recolhe toda a informação sobre a bicicleta, os componentes, o preço original e as opiniões de outros usuários que compraram o mesmo modelo.   

Se é a tua primeira bicicleta, não recomendamos comprá-la online, a menos que o vendedor seja confiável (verifica as opiniões online) ou que o site (ou a aplicação) ofereça uma proteção de compra. Certamente podes encontrar uma bicicleta que cumpra as tuas necessidades numa loja próxima, assim podes vê-la em pessoa e certificar-te de tudo o que já falamos neste post. Se mesmo assim não te sentes confiante, combina com o vendedor para ir a uma oficina de bicicletas profissional para pôr a prova a bicicleta ou visitar diretamente uma loja de bicicletas de segunda mão. 

O ciclismo não é tudo apariencia

Não desanimes por um selim gastado ou uma fita de guiador suja, já que é muito fácil substituí-las. É a mesma coisa com as marcas de arranhaduras dos cabos ou marcas de ténis nas pedaleiras. São apenas questões estéticas. É melhor centrar-se nos elementos estruturais e funcionais da bicicleta porque são fatores decisivos se quiseres começar a pedalar logo que compres a bicicleta.

Bom demais para ser verdade

Se já fizeste uma pesquisa, já reuniste a informação e encontras uma pechincha incrível, muito provavelmente a bicicleta tem algum problema e vais terminar por comprar uma bicicleta com um problema oculto, uma bicicleta roubada ou, no pior dos casos, ser vítima duma estafa. Tem cuidado, sobretudo nas compras online.  

Esperamos que esta checklist para a inspeção de qualidade e a guia para comprar uma bicicleta de segunda mão sejam de ajuda. E lembra-te de guardar um bocadinho de dinheiro para comprar o equipamento básico para começar a andar de bicicleta.

← Volver al blog

También te puede interesar...